Google Mobile First: Conheça as Novas Boas Práticas pra Indexação

Google Mobile First: Conheça as Novas Boas Práticas pra Indexação

Estar por dentro das atualizações do Google é fundamental para que a sua empresa não seja pega de surpresa e, assim, tenha as suas vendas afetadas, bem como sua receita e estratégia de crescimento no âmbito digital.

Por falar nisso, já está sabendo do Google Mobile-First-Index? É uma das mais recentes mudanças implementadas pela Google em seu sistema de indexação que pode, a depender das configurações e arquitetura de seu site, prejudicá-lo ou fazê-lo crescer ainda mais.

Deseja saber mais a respeito desta novidade e como proceder diante dela? Continue a leitura deste texto!

O que é e por que o Mobile-First-Index é fundamental pra sua empresa

O Mobile-First-Index é o mais novo sistema de indexação do Google voltado exclusivamente pra dispositivos móveis, como celulares, tablets, iPads, entre outros.

Na verdade, não se trata necessariamente de um novo sistema, mas de uma reconfiguração que busca priorizar as pesquisas feitas em telas móveis.

O anúncio feito pela Google, no final de 2016, do Mobile-First-Index não foi à toa.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), houve, no Brasil, um significativo crescimento em relação ao acesso à internet por dispositivos móveis.

A pesquisa apontou que 80,4% das casas com acesso à internet usam o Smartphone como suporte para navegar, superando a forma de acesso tradicional: o computador, com 76,6% dos domicílios pesquisados usam este equipamento.

Isso aponta pro seguinte fato: as pessoas estão cada vez mais utilizando o seu dispositivo móvel não só para realizar compras, mas também para conversar entre amigos e familiares.

Segundo a E-Commerce Brasil, no penúltimo trimestre (julho a setembro) do ano passado, 2017, houve um crescimento de 75% do número de compras realizadas por meio de dispositivos móveis quando comparado com o mesmo período do ano de 2016.

A marca que fechar os olhos para essa realidade poderá ser afetada.

Isso porque a versão Mobile-First-Index exige que as empresas adotem sites responsivos como critério para que os bots do Google consigam processar os dados da página, não prejudicando assim o ranqueamento de seu negócio e nem o seu tráfego orgânico.

Veja que ambas as possibilidades podem diminuir as suas vendas e, consequentemente, a sua receita.

Principais práticas recomendadas no Mobile-First-Index

Caso só tenha tomado conhecimento agora do Mobile-First-Index, não se desespere, existem algumas soluções que você pode adotar. Veja a seguir quais são elas!

Adote um site mobile

Com o Mobile-First-Index, é fundamental que você faça o seu site virar mobile. Todo site mobile necessita de um design responsivo, ou seja, capaz de se adaptar à tela do dispositivo móvel.

Dito de outro modo, os recursos de sua página precisam ter a dimensão perfeita para que o usuário consiga acessá-los com facilidade e conforto: texto, imagem, vídeo, entre outros.

Uma página com essas configurações permite não só que os bots do Google consigam melhor posicioná-la, mas também que o consumidor tenha uma boa experiência, podendo navegar por ela de forma agradável e encontrar o que deseja.

Aceleração de página mobile

Se existe algo que ninguém gosta é navegar por uma página lenta, que demora minutos para carregar qualquer aba que se deseje explorar.

Isso é tão certo que mais de 50% dos usuários abandona uma página mobile se ela demorar mais do que 3 segundos para carregar.

Para resolver esse problema, é possível adotar o Accelerated Mobile Pages (AMP). Solução que permite que uma página mobile seja acelerada, melhorando assim não só a experiência dos clientes, mas também a taxa de aceitação da página.

Recentemente, precisamente em agosto deste ano, a Google lançou mais uma atualização em seu sistema de indexação, chamada pelos especialistas de Medic Update.

Ela traz alguns critérios importantes que dizem respeito à questão da credibilidade de seu site e utiliza isso para classificá-lo, o que pode influenciar em sua posição nos mecanismos de busca.

Veja que ter um índice de rejeição elevado por conta do carregamento da página pode contribuir para que a sua página receba uma classificação negativa e fique mal posicionada na busca orgânica.

Pra que a sua marca não seja afetada pelo Mobile-First-Index, não deixe de adotar as soluções que sugerimos.

Além delas, você pode adotar a experiência do usuário (UX), técnica que consiste em promover um espaço que possa oferecer ao cliente não só satisfação, mas uma navegação agradável e fácil.

E o que você achou dessa mudança do Google? Conta pra gente aqui embaixo nos comentários.

Deixe seu comentário